• antropoLÓGICAS

v2a15| Assim sigo, sendo psicóloga em tempos de crise mundial

Atualizado: 29 de Jul de 2020

Por Itala Daniela. Doutoranda no PPGPSI da Universidade Católica de Pernambuco. Psicóloga Clínica na Lírios Centro de Psicologia. Contato: italadaniela@liriospsicologia.com.br


Photo byShaneonUnsplash


Uma enxurrada de notícias diárias. A busca constante de informação para compreender se os atendimentos presenciais ainda estavam autorizados. Deparo-me com a indicação do Conselho Federal de Psicologia da suspensão das práticas presenciais, salvo caráter emergencial.

Pego-me pensando o que seria emergencial em um cenário que por si sinaliza emergência.

Acolho a indicação e proponho aos pacientes a migração para a modalidade online.

E eu, defensora dos atendimentos online, que acredito que a psicologia precisa assumir ética e tecnicamente esse lugar de prática, deparo-me com questões anteriormente não refletidas.

Uma queixa que já é recorrente no consultório, passa a ser um dos impeditivos dessa prática: a falta de privacidade dos pacientes.

Lembrei da história singular de cada um/a. Muitos já traziam para o espaço de cuidado terapêutico, o quanto seus familiares não respeitavam seus espaços em casa. O quarto, a hora de descanso, a hora de estudo e de trabalho.

Eu, terapeuta, que os ouvia e os acompanhava pacientemente na construção de possibilidades frente à invasão de privacidade, estava pedindo, indiretamente, que isso já “estivesse resolvido”.

Vi diversos anúncios de psicólogos/as que estavam/estão se dispondo para o atendimento online, solicitando que os/as pacientes procurassem um local silencioso e que não fossem interrompidos. Será mesmo que esse é um privilégio de todas as pessoas?

Numa realidade brasileira em que algumas pessoas dividem quarto com irmãos/irmãs, em que pessoas estão em relacionamento abusivos e que mal podem utilizar o telefone em casa, em que as moradias nem sempre tem vãos tão definidos, de casas e apartamentos pequenos e sem tratamento acústico nas paredes, como pedir que o/a paciente encontro um lugar em que ele não seja interrompido?

Estamos fazendo psicologia para quem? Para pessoas que tem casas grandes, com cômodos diversos, tratamento acústico na parede e respeito de todas as pessoas que moram com ele/ela?

Estamos fazendo psicologia apenas para pessoas que tem sinal de internet de qualidade? Dados ilimitados? Se é assim, sou o avesso dessa psicologia, meus pacientes não são só esses!

E assim vou criando, mais uma vez, possibilidades de acompanhar os/as pacientes no cuidado consigo. Não peço que ele esteja em um lugar silencioso e nem que não sejamos interrompidos. Flexibilizo os horários pois sei que talvez naquela hora o sinal esteja intermitente.

É uma clínica ampliada, cheia de possibilidades, limites e por vezes interrupções.

A vida concreta, vivida numa teia de relações é cheia de resistências. Claramente as teorias não lidam com essa concretude do vivido (Hannah Arendt).

Assim sigo, sendo psicóloga em tempos de crise mundial.


180 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo