• antropoLÓGICAS

Coronavírus, bolsonarismo e a produção da ignorância

Por Jean Miguel. Pós-doutorando na Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da UNIFESP. Doutor em Política Científica e Tecnológica pela UNICAMP.


Ilustração de Gina Miller, "Fear of Ignorance" (2014)


Agnotologia é o estudo da produção cultural da ignorância1. A ignorância, para esses estudos, não é simplesmente um “espaço vazio” na mente das pessoas, que poderia ser preenchido com informações a respeito de algum assunto. Através da perspectiva etnográfica, revelou-se que a ignorância possui contornos e coerência construídos por processos culturais, assim como certas regras pelas quais opera2. Considerar a ignorância como um produto cultural pode parecer a princípio contraintuitivo, mas quando visto à luz de um exemplo concreto, o argumento se torna suficiente.

O modo como a pandemia da COVID-19 tem sido tratada pelo presidente Bolsonaro e grupos bolsonaristas é um exemplo claro de como a ignorância é produzida e difundida culturalmente. Ignorância produzida frente ao farto número de informações apresentadas pela comunidade científica, pelos dados compartilhados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e aplicados pelo Ministério da Saúde brasileiro. No contexto da pandemia, dois principais fatos insistem em ser negados e, por fim, ignorados: a gravidade da pandemia e a efetividade do isolamento social. Isso já basta para que se ignore a realidade da pandemia por completo, dando-se espaço para teorias conspiratórias e inúmeras fake news disseminadas pelas redes sociais e grupos de whatsapp bolsonaristas.

Sobre como a ignorância a respeito do assunto vem sendo produzida, cabe aqui destacar dois aspectos. O primeiro, diz respeito aos meios empregados para disseminar o conteúdo falso, através de tipos de mídia e formatos de comunicação bastante específicos. Estratégia que difere de estudos de caso agnotológicos como os que foram discutidos, por exemplo, por autores como Oreskes e Conway (2010)3, pois não utilizam a mídia de massa para promover contrainformação, e sim uma rede muito mais difusa de mídias digitais. O segundo aspecto, refere-se ao tipo de narrativa que produz o amálgama das diversas práticas de produção da ignorância, cujo foco está na produção de um enredo paranoico sobre os supostos interesses da chamada “esquerda globalista”.

O trabalho recente da antropóloga Leticia Cesarino (2020)4 sobre populismo digital e as redes bolsonaristas demonstrou o uso sofisticado que os grupos bolsonaristas têm feito das mídias digitais para disseminar seu ideário por meio de diversas táticas que visam reduzir a complexidade de temas que eles consideram alvos. Os mesmos recursos utilizados durante a campanha política de 2018 vêm sendo empregados para produzir ignorância em relação à pandemia do Coronavírus.

Um bom exemplo é o vídeo intitulado “o fracasso da quarentena”5, amplamente divulgado por Eduardo Bolsonaro em suas redes (figura 1). Nesse vídeo, o youtuber Bernardo Küster6 argumenta com base em um comentário do presidente da Agência Espacial de Israel, Isaac Ben-Israel, que a quarentena é ineficaz ao ciclo do vírus, pois o vírus tende a desaparecer até a oitava semana após o contágio e que, portanto, o isolamento social não faz sentido. O argumento é concluído afirmando que este tipo de informação tem sido “ocultada” do público em geral, sugerindo que a verdade a respeito da ameaça do Coronavírus tem sido manipulada para causar a crise econômica.



Figura 1: A produção da ignorância nas redes sociais bolsonaristas.

Fonte: imagem obtida na rede social Facebook (2020)


Observa-se na figura anterior que os conteúdos são divulgados para que a quarentena seja ridicularizada, como ilustra a imagem satirizada do ex-ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta, um dos defensores da medida. Percebe-se, portanto, um formato estabelecido para a produção da ignorância, no qual o conteúdo transmitido não importa tanto quanto a maneira pela qual ele é mostrado e difundido. O que se quer é produzir um efeito por meio de uma mensagem rápida que possa ser facilmente assimilada e compartilhada pelo receptor. É precisamente na velocidade com que se substitui uma mensagem por outra que reside a força dessa prática, algo que pode ser resumido na máxima atribuída a Joseph Goebbels: “uma mentira contada mil vezes, torna-se verdade”.

O segundo aspecto que gostaria de ressaltar diz respeito à narrativa na qual as mensagens espalhadas isoladamente ganham alguma coerência, em um amálgama que forma o imaginário conspiratório bolsonarista. Um dos expoentes da cosmovisão bolsonarista é o escritor Olavo de Carvalho, que se tornou conhecido por afirmar que as universidades brasileiras têm sido dominadas por décadas pelo “pensamento da esquerda” e também que a grande mídia propaga o que ele chama de “marxismo cultural”, a saber, um projeto da “esquerda globalista” dedicado ao empreendimento de destruir a cultura ocidental capitalista e cristã. A “conspiração globalista da esquerda” visa, segundo Carvalho, submeter os povos a um único governo mundial através da ONU e de seus organismos internacionais, como por exemplo, a OMS, o Banco Mundial, a UNESCO etc7.

Não surpreende, portanto, que a pandemia da COVID-19 seja compreendida na cosmovisão bolsonarista como uma “conspiração globalista da esquerda”. Sobretudo, quando se considera que o “vírus é chinês”8. Nesse imaginário, o “comunismo internacional” está por trás de tudo, e é culpado pela pandemia. Nas palavras de Eduardo Bolsonaro: “A culpa é da China, e a liberdade seria a solução”9. Teorias conspiratórias como essa sugerem que existe “um outro lado da história” que é censurado pela comunidade científica e, consequentemente, omitido pela imprensa oficial. É nesse sentido que as afirmações de “outsiders”, como Olavo de Carvalho, adquirem alguma coerência ao denunciar a corrupção das instituições científicas e da grande mídia, produzindo uma narrativa paralela com a qual práticas de produção da ignorância unem-se de modo a formar um imaginário homogêneo.

Em síntese, a partir dos dois aspectos anteriormente mencionados, percebemos que a produção da ignorância em torno da COVID-19, agenciada por redes bolsonaristas, é operada através de meios digitais e práticas específicas que podem ser identificadas como formas de anulação da complexidade e da possibilidade de verificação dos fatos. Portanto, comporta-se como um sistema de produção da ignorância, que se alimenta de uma cosmovisão compartilhada na qual a ciência é vista como produtora de um conteúdo contaminado ou, simplesmente, entendida como “ideologia” propagada pela esquerda.

Dado o exposto, concluímos que os estudos sociais dedicados aos assuntos da ciência, da epistemologia e das condições de produção da verdade têm no presente contexto um grande desafio de interpretar a ação crescente dos sistemas de “pós-verdade” e produção da ignorância. A relação entre o saber e o poder, amplamente debatida por autores como Michel Foucault, adquire nos contextos atuais uma base tecnológica que permite que a produção da ignorância seja realizada em velocidade e em escalas espaciais inéditas. O perigo dessas ações coordenadas é bastante claro nos dias de hoje. Precisamos lidar não só com a ameaça de uma pandemia, mas com a ignorância planejada que coloca em risco as medidas de saúde e combate à doença.


Agradecimentos: Lorena Medrado, pela revisão do texto.

1 Ref: “Agnotology: The Making and Unmaking of Ignorance” https://www.sup.org/books/title/?id=11232 Acesso 16/04/2020.

2 Ref: “The Anthropology of Ignorance: An Ethnographic Approach” https://kar.kent.ac.uk/57894/ Acesso 16/04/2020.

3 Ref: “Merchants of Doubt: How a Handful of Scientists Obscured the Truth on Issues from Tobacco Smoke to Global Warming”. https://www.bloomsbury.com/uk/merchants-of-doubt-9781596916104/ Acesso 16/04/2020.

4 Ref: “Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo digital no Brasil”. https://revista.internetlab.org.br/wp-content/uploads/2020/02/Como-vencer-uma-eleic%CC%A7a%CC%83o-sem-sair-de-casa.pdf Acesso 16/04/2020.

5 Ref: https://www.youtube.com/watch?v=W6gPEK_EyL8&feature=youtu.be&fbclid=IwAR2iMm4sDKwZpqRL6mjV6rQjdGiFQFqQQe9wVvvvnRyOVP-icPh9YcShNVA Acesso 16/04/2020.

6 Um dos youtubers recomendados por Jair Bolsonaro vide: https://theintercept.com/2018/11/17/youtubers-bolsonaro-nando-moura-diego-rox-bernardo-kuster-fake-news/ Acesso 17/04/2020.

7 Para estes e outros temas abordados por Carvalho Ref: http://olavodecarvalho.org/do-marxismo-cultural/ 16/04/2020.

8 Como afirmou o youtuber Bernardo Küster no vídeo anteriormente mencionado.

9 Ref: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2020/03/19/eduardo-bolsonaro-culpa-china-por-coronavirus-e-gera-crise-diplomatica.ghtml Acesso 14/03/2020.



Texto originalmente publicado em: http://anpocs.org/index.php/publicacoes-sp-2056165036/boletim-cientistas-sociais/2348-boletim-n-34-cientistas-sociais-e-o-coronavirus?idU=1

© 2023 por Design para Vida.

Criado orgulhosamente com Wix.com

CONTRA A PORTARIA 34 E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DA CAPES