• antropoLÓGICAS

v2a33| Coronavírus como força de mercado e o fim da sociedade

Atualizado: Jul 29

Por Letícia Cesarino. Professora Adjunta no Departamento de Antropologia e no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).


O renascimento da sociedade, ou seu enterro definitivo?


Se há algo de extraordinário que a atual pandemia do covid-19 parece ter feito, foi o premier britânico Boris Johnson voltar atrás no slogan thatcheriano ao afirmar em um vídeo, logo antes da sua internação por covid-19, que “existe sim sociedade”.[1] Poucas semanas antes, suas afirmações tinham ido num outro sentido, o de defender a imunidade de rebanho. Diferente das metáforas militares talvez mais frequentes,[2] a lógica subjacente da estratégia inicial de Johnson vê o vírus fundamentalmente como uma força de mercado:[3] a relação risco-benefício da pandemia não justificaria os custos econômicos, pois o vírus sacrificaria prioritariamente “apenas” aqueles – idosos, doentes crônicos, vulneráveis – que já são um passivo para a sociedade. Esse raciocínio, onde meritocracia, eugenia e produtivismo se misturam perigosamente, pressupõe uma equivalência entre sociedade e mercado, assim como a centralidade do divisor produtor-parasita: ambos pilares fundamentais da gramática neoliberal contemporânea (HoSang e Lowndes, 2019).


Assim como ocorreu na crise financeira de 2008, alguns se apressam em cravar um prognóstico sobre se a atual pandemia seria um sinal de que estaríamos nos aproximando dos limites do capitalismo neoliberal – ou se, pelo contrário, do seu acirramento.[4] Mas para além dessas e outras performances oraculares comuns a segmentos acadêmicos altamente midiatizados, sabemos que as relações entre a atual pandemia e a lógica neoliberal só podem ser multifacetadas e, pior, ainda emergentes. Para começar a endereçar esse cenário é preciso ir além de noções senso comum do que seja o tão falado neoliberalismo. Como o capitalismo em si, o que chamamos de neoliberalismo não é uma ideologia fixa: embora mantenha uma continuidade com o modo como foi sistematizada por Hayek e outros no início do século passado, foi sendo co-produzida com contextos emergentes como o que vivemos hoje, inclusive sendo modulada por com outras forças sociais. Como apontam as teorias de sistemas dinâmicos, na natureza e na história não existe nem reversibilidade, nem novidade ex nihilo, mas adaptação e co-emergência: provavelmente não estamos às portas nem do enterro definitivo da sociedade pela razão neoliberal (Brown, 2019), nem da sua ressureição da tumba do keynesianismo e do trabalho fordista. Onde estamos, afinal?





A gramática neoliberal emergente


Originalmente sistematizado no âmbito da Sociedade Mont Pèlerin nos anos 1940 e, nos EUA, da Universidade de Chicago, o neoliberalismo hoje é (na verdade, sempre foi) muito mais que uma doutrina econômica (Mirowski e Plehwe, 2011; Slobodian, 2018; Brown, 2019). Em fins dos anos 1970, Michel Foucault (2004) já o diagnosticava como um tipo emergente de governamentalidade, baseada no empreendorismo de si que veio a se tornar tão central às formas de subjetificação na atual era das mídias sociais. Marxistas como David Harvey (2005) apontaram para seu aspecto de política de classe: a agenda neoliberal seria um esforço de elites econômicas para preservarem seus privilégios diante da exaustão do modelo keynesiano que perdurou durante a Guerra Fria – apenas enquanto havia Estado “para todos”, elas teriam aceitado dividir o bolo (parece familiar?). Harvey, Naomi Klein (2008) e outros chamaram atenção para as relações constitutivas entre a imposição dessa agenda de reformas e contextos de crise, desde o experimento neoliberal original no Chile de Pinochet (onde esteve o jovem Paulo Guedes) ao rescaldo de todo tipo de desastre natural, guerras e crises econômicas pelo globo: da Nova Orleans pós-Katrina ao pós-guerra no Iraque, dos programas de ajuste estrutural na África Subsaariana à guerra híbrida permanente em que a digitalização da política parece ter nos lançado (Davies, 2018). No Brasil, a pandemia mal começou e o Ministério da Economia já está falando na retomada das reformas como solução para a crise.[5]


Já entrando no atual século, novas modulações do neoliberalismo foram identificadas por autores como Jean e John Comaroff (2004), Achille Mbembe (2016) e Loic Wacquant (2009): em particular, sua complementaridade funcional com o punitivismo, a necropolítica e o populismo penal. É preciso, afinal, que algo seja feito com os muitos que vão sendo deixados pra trás pela desigualdade galopante, precarização do trabalho e automação de funções puxada por uma revolução digital perpétua. Fortalecem-se assim, no senso comum, as gramáticas que traçam uma linha entre quem merece (tentar) uma vida plena, e quem deve ser excluído da sociedade (ou seja, do mercado) por meio do encarceramento, da morte física ou da expulsão das fronteiras nacionais. A judicialização crescente que marcou o período dos neoliberalismos progressistas vem assim se desdobrando na retração do garantismo e em diferentes formas de vigilantismo social e internético. Gramáticas xenofóbicas, armamentistas, punitivistas, e mesmo eugênicas vão se tornando inextricáveis da lógica do livre-mercado: meritocracia e necropolítica se misturam. Não é apenas que, no Antropoceno, não haverá “natureza” para todos no planeta, como sugeriu Bruno Latour (2015): na “sociedade” neoliberal já não havia.


No caso daqueles que as prisões, as milícias, os linchamentos e o “tiro na cabecinha” não derem conta, há as igrejas. À medida que o Estado neoliberal vai se desresponsabilizando de funções no campo da saúde pública, saúde mental, reabilitação social e outros efeitos da precarização crescente do trabalho e da vida, as igrejas – especialmente as evangélicas – vão ocupando o vácuo de modo bastante eficaz e capilar. Novamente, as duas lógicas – a econômica e a teológica – vão se misturando, a ponto de às vezes se tornarem indiscerníveis: quem influencia quem? No final dos anos 1990, o casal de antropólogos sul-africanos Jean e John Comaroff (2000) identificou um aspecto central e ainda pouco reconhecido do neoliberalismo em sua face contemporânea: o caráter encantado e apocalíptico do que eles convenientemente chamaram, numa analogia com o prometido retorno de Cristo, da “segunda vinda” do capitalismo.





Embora vinte anos atrás os Comaroff não apontassem as ressonâncias dessas tendências com a digitalização crescente da vida, elas têm se tornado cada vez mais evidentes: temporalidades messiânicas não-lineares, rumores, linchamentos (físicos ou de caráter), teorias da conspiração, múltiplas formas de casino capitalism e esquemas-pirâmide, dinâmicas de grupo sectárias, esquemas fraudulentos e toda sorte de epistemologias não-científicas proliferam pelo mundo, hoje, principalmente por meios virtuais. A pandemia da covid-19 evidencia a força dessas epistemologias populares, bem como a sua condição de fundo, que os Comaroff (2004) chamaram de metafísica da desordem: um estado sustentado de entropia informacional e alta equiprobabilidade (Chun, 2016; Cesarino, no prelo a) no qual soluções definitivas e milagrosas – de salvadores da pátria humanos a medicamentos não-humanos – usufruem de maior adesão do público que as medidas planejadas, graduais e sem visibilidade imediata de resultados como o isolamento social e as testagens em massa.



Mais recentemente, Quinn Slobodian (2018) mapeou mais uma camada analítica importante, relativa às relações complexas e por vezes contraditórias entre a lógica neoliberal e o rearranjo de relações na escala global. A condição pós-colonial brasileira, marcada há séculos pela dependência (material, senão cultural) do que vem de fora, mostra toda sua dramaticidade na atual pandemia. Em contextos em que relações comerciais internacionais complicam-se e torna-se necessário importar quase tudo – testes, máscaras, respiradores – é que vemos os custos das escolhas históricas das nossas elites. Nem o verniz nacionalista do atual governo, nem a falsa oposição globalização-globalismo martelada pelo bolsolavismo são capazes de esconder nossas vulnerabilidades e o alto custo dessa falta de autonomia.


Mas talvez não seja preciso esconder nada: ao fim e ao cabo, a gramática neoliberal que sustenta a nova direita parece ser pessimista por default. Com o fim da meta-narrativa do progresso, faz sentido ser nacionalista submetendo-se a um patrono mais poderoso: os EUA de Donald Trump e seus aliados ideológicos, como Israel de Netanyahu. Com o fim do tipo de mobilidade social outrora prometido pelo já obsoleto trabalho fordista, espera-se que apenas alguns – as celebridades instantâneas do YouTube, os investidores sortudos do capitalismo de cassino, os políticos meteóricos da internet – consigam “ganhar dinheiro sem trabalhar muito por isso”.[6] A maioria ficará pelo caminho tentando, vendendo o almoço para comprar o jantar. É essa maioria que hoje sequer concebe que seja obrigação do Estado apoiá-los durante a quarentena, para que não sejam forçados à escolha infernal entre morrer de fome ou de falta de ar.


Já a crítica feminista do neoliberalismo apontou para o que talvez seja hoje o seu principal pilar político: a aliança com o conservadorismo (especialmente religioso) e os defensores da moralidade tradicional e da família como unidade social fundamental (lembremos que o slogan thatcheriano do “não existe sociedade” continuava com “apenas homens e mulheres individuais e suas famílias”). Afinal, quem vai cuidar dos doentes, idosos, crianças, desempregados, incapazes diante do desmonte das proteções sociais outrora oferecidas pelo Estado? Como disse explicitamente o presidente brasileiro no contexto da atual pandemia, é preciso que as famílias – o que, na prática, significa as mulheres – retomem o seu lugar de responsáveis e cuidadores dos indivíduos vulneráveis, pois o governo se eximiu dessa responsabilidade: voltamos, como mostrou Melinda Cooper (2017), ao espírito das poor laws da época medieval e do século XIX. Já Wendy Brown (2019) apontou como, no pensamento do próprio Hayek e outros, a moralidade tradicional já figurava junto com o mercado como ordens espontâneas complementares sobre as quais a utopia neoliberal seria erigida, se apenas o Estado abrisse mão de suas intervenções indevidas na ordem natural das coisas. Hoje, a gramática neoliberal parece enquadrar o Sars-CoV-2 e suas consequências letais como parte dessa ordem natural, e medidas impositivas como o isolamento social como intervenções nessa ordem – e, portanto, atentados à liberdade dos indivíduos. É aí que a discussão sobre a renda básica torna-se tão sensível, pois oferece aos trabalhadores informais um vislumbre de alternativa à liberdade de continuar trabalhando precariamente no limiar da sobrevivência. Os neoliberais progressistas já se apressaram em assegurar que ela seja apenas emergencial e temporária: um voucher.[7] Os bolsonaristas conseguem fazer pior: enquadram quem fica em casa na cadeia de equivalência neoliberal-conservadora do vagabundo (comunista, funcionário público, etc.).


Finalmente, o historiador e filósofo da ciência Philip Mirowski (2019) tem destacado a coprodução estreita entre a neoliberalização e a digitalização não apenas no domínio econômico dos mercados financeiros, mas em todos os domínios da vida de modo geral: em especial, no modo como compreendemos verdade, causalidade e responsabilização. Como ele notou, o próprio Hayek foi pioneiro em aplicar a teoria da informação à doutrina econômica, redefinindo o livre-mercado como um processador de informação ideal, mais eficaz para chegar à verdade do que qualquer agente cognoscente e planejador – seja ele um indivíduo, o Estado, ou mesmo a ciência. Décadas depois, a revolução digital finalmente possibilizou concretizar a utopia de Hayek, ao trocar arquiteturas informacionais baseadas na “‘deliberação’ e planificação” pela performatividade, distribuição e descentralização das mídias digitais contemporâneas (Bruno e Vaz, 2002: 29) – desestabilizando, assim, as estruturas que sustentaram o arranjo social da modernidade durante boa parte do século XX.


Entre essas estruturas figuram a ideia da sociedade (e seus corolários, como a justiça social) (Brown, 2019) e o sistema de peritos do qual faz parte a ciência, a estatística, a esfera pública organizada em torno da imprensa profissional. Não por acaso, a atual pandemia recoloca todo esse conjunto paradigmático no centro de nossos dilemas coletivos: ao impactar uma porção significativa da população de uma só vez, com o risco de saturação de infraestruturas coletivas como o sistema de saúde e mesmo a economia, ela coloca em questão os pressupostos descentralizadores e individualizantes do neoliberalismo. Ela nos lembra que somos, afinal, uma sociedade – como afirmou Johnson.


A ciência em particular retorna ao centro das atenções. Como Thomas Kuhn, Bruno Latour e boa parte dos estudos CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade) têm mostrado, a ciência é mais eficaz nos contextos que ela própria ajudou a moldar. Em outras palavras, ela é o melhor farol para a situação em que vivemos não porque seja um tipo de conhecimento universal e intrinsecamente superior aos saberes tradicionais, não-ocidentais ou epistemologias populares, mas porque ela foi co-produzida com o nosso tipo de sociedade (industrial, expansionista) ao longo dos últimos séculos. Pelo menos, até o momento: como vem notando o próprio Mirowski, as pressões pela neoliberalização (e algoritmização) da ciência ameaçam transformar de modo fundamental alguns de seus pilares centrais.


Por outro lado, se o novo coronavírus é tão problemático por ter justamente “pulado” a fronteira entre natureza e sociedade, uma epidemia como esta pode estar de fato apontando para os limites do aceleracionismo e do expansionismo do capitalismo industrial sobre suas últimas fronteiras – como o interior da China, por exemplo. Como bem colocaram Danowski e Viveiros de Castro (2014), a questão do fim do mundo (que é, na prática, a questão da exaustão histórica do capitalismo) deve ser posta de forma fractal: seus sinais concretos não necessariamente chegarão à escala da nossa vida quotidiana na forma de catástrofe climática. Podem chegar na forma de uma nova pandemia – essa anomalia (Kuhn, 2006) tão expressiva dos excessos da intervenção humana nos interstícios entre a sociedade e a natureza. E como também descreveu Kuhn, quando as anomalias se acumulam e não são processadas adequadamente pelo paradigma vigente, é sinal de que ele pode estar chegando no seu limite.


Desinformação e a crise do sistema de peritos


Com efeito, as reações à atual crise mostram como o que chamamos de neoliberalismo é muito mais que uma agenda econômica, uma política de classe e mesmo um tipo de cultura: é também uma estrutura epistêmica. Talvez seja cedo para saber se trata-se de uma estrutura transitória, ou se é um novo paradigma que eventualmente se reestabilizará num outro patamar. A pandemia do covid-19 não é a primeira do século, mas provavelmente é a primeira que coincide com uma pandemia de desinformação. A lógica de viralização nos dois casos parece análoga: assim como o vírus viceja tomando controle de células vivas e fazendo-as trabalharem para a sua replicação, a desinformação se replica rapidamente na medida em que usuários passam a mimetizar suas fórmulas prontas e, no limite, a incorporar sua gramática por meio dos loops cada vez mais intensivos com a capilarização crescente de tecnologias digitais como smartphones, apps e mídias sociais (Chun, 2016; Cesarino, no prelo a).


A pós-verdade contemporânea tem muitas raízes: o marketing de massas, as “crises de objetividade” nas ciências (Latour, 1994), a propaganda política, o pensamento conspiratório – nada disso de fato é novo, como alguns sempre se apressam em pontuar. Mas o que a infraestrutura digital parece fazer é potencializar esses processos ao aumentar a entropia, ou a equiprobabilidade (grosso modo, a igual probabilidade de um enunciado estar correto ou não; Latour & Woolgar, 1997), num ambiente informacional que talvez um dia já tenha se parecido com uma esfera pública organizada, mas que hoje se parece mais com um campo de batalha das guerras de religião que se seguiram à invenção da prensa de Gutenberg no século XVI. Se, como famosamente definiram Latour e Woolgar (1997), a realidade (ou a verdade) é “o enunciado caro demais para ser contraditado”, a pós-verdade é uma condição epistêmica em que qualquer enunciado pode ser contraditado, a um custo (não apenas no sentido econômico) muito baixo. Num contexto como esse, a necessária redução de complexidade – afinal, ninguém consegue viver no ruído, ou no caos informacional – acaba se dando menos pela confiança no sistema de peritos (ou seja, o que dizem os cientistas, as instituições, a imprensa profissional) do que pela produção de bolhas (políticas e outras) e outros recursos epistêmicos elementares, como os sentidos imediatos e elos causais ocultos (Cesarino, 2020).





A convergência dos efeitos da pós-verdade com a visão epistêmica do neoliberalismo avançada por Mirowski ou pelos Comaroff é evidente: a verdade não é um a priori acessível (ou ao menos estabilizável) pela ciência, a partir do qual se planejará intervenções na sociedade, mas um a posteriori das livres relações de mercado. Aqui, verdade iguala-se a eficácia, e a sociedade passa a ser vista sob essa mesma lógica performativa: apenas os merecedores e os produtivos vicejarão. Nesse sentido, o planejamento estatal para a gestão da pandemia e a produção de conhecimento a ele associada (notadamente, a testagem em massa e as modelagens estatísticas) são anátemas à episteme neoliberal. O seu presentismo não prevê lugar para o intervalo de semanas que transcorre entre as infecções pelo vírus e seus efeitos mais graves na saúde pública e na própria economia. Nesse ínterim, as cadeias causais vão sendo preenchidas por toda sorte de elos ocultos, “ciência mágica” (aquela validada não pela comunidade científica mas pelo líder, único repositório da verdade) [8] e intrigas políticas. As mídias sociais, o WhatsApp incluído, tornam-se o principal motor de difusão não apenas de conteúdos “prontos”, mas de uma deutero-pedagogia (parafraseando Bateson) que transmite essas maneiras emergentes de compreender causalidade, verdade e responsabilização.




Mas novamente, o que parecem coincidências podem ser na realidade coproduções. Como notou Mirowski (2019), o indivíduo influenciável pela desinformação e pelos populistas contemporâneos é o mesmo indivíduo influenciável que forma a base do modelo de negócios das grandes empresas de tecnologia digital. O objetivo em última instância é a mímese, a replicação, a viralização, a adicção, o tempo de tela – em suma, a heteronomia dos usuários (Cesarino, no prelo b). Na base da própria arquitetura algorítmica das mídias sociais está não a sociedade como força moral ou o indivíduo autônomo e crítico, mas modelos comunicacionais – biológicos e físicos – de contágio, viralização, comportamento de bando (de pássaros e outros animais), técnicas psico-cognitivas de ação sobre o cérebro “reptiliano” dos usuários (Chun, 2016; Marres, 2018). Pode ser que, se descascarmos o suficiente as camadas, veremos que os paralelos entre a epidemia do vírus e a epidemia de desinformação que a acompanha são mais que analogias fortuitas.




O vírus como força de mercado e o neoliberalismo como força anti-moderna


Muitas das visões de usuários comuns sobre as causas, consequências e modos de gestão da atual pandemia que encontrei nas redes sociais, em especial as bolsonaristas, ressoam em múltiplos pontos não apenas com o regime epistêmico da pós-verdade, mas com a gramática neoliberal delineada acima. Digno de nota é a quantidade significativa de brasileiros que sequer cogitam que seja papel do Estado e dos governos apoiarem a população mais vulnerável para que ela possa cumprir as orientações técnicas de isolamento para a contenção do vírus. Algumas dessas visões chegam a extremos anarco-capitalistas, ao afirmarem que “o Estado quebra nossas pernas para depois nos oferecer muletas” – como se houvesse sido possível, historicamente, capitalismo sem Estado.



Mas o fato de a gramática neoliberal ser hoje global não significa que ela se enraíze da mesma forma em todos os lugares. Contexto importa: como disse Anna Tsing (2005), projetos globais só se realizam na, e por meio da, fricção com formas locais. No Brasil de hoje, o neoliberalismo ganha tração friccionando-se com um histórico secular de desigualdade extrema e de abandono de grande parte da população por parte do poder público. Por que confiar que fazemos parte de uma sociedade, se na prática ela nunca existiu? A jabuticaba do isolamento vertical, por exemplo, atualiza a cidadania diferenciada (Holston, 2013) que sempre fez parte da história social e de muitas instituições brasileiras,[9] ao colocar um risco desproporcional sobre os vulneráveis de sempre, enquanto o topo da pirâmide grita que o Brasil não pode parar da janela dos seus carrões, nas carreatas que agora tomam o lugar das manifestações de rua.



Chegamos aqui ao argumento dos Comaroff de que, na era do capitalismo milenarista onde a seta do progresso foi deixada para trás, os “condenados da Terra” tornam-se o espelho futurista do “Primeiro Mundo”. Neste sentido, o Brasil sempre foi neoliberal, pois, para boa parte da população, o Estado nunca cumpriu verdadeiramente sua função de bem-estar, proteção social e redução de desigualdades. Se a tragédia vier, será apenas mais uma.[10] Como seguir procedimentos de Europa, se somos África? – me disseram. É preciso que o enorme contingente de trabalhadores informais volte ao trabalho, pois o Estado não pode e não vai fazer nada por eles. De acordo com essa gramática, defender a quarentena é visto como um luxo de elites de funcionários públicos que parasitam os trabalhadores produtivos e empreendedores, os verdadeiros “patriotas”. (Já os investidores improdutivos que multiplicam suas heranças no capitalismo de cassino – é como se não existissem, pois logram se colocar como parte da ordem natural das coisas.)




A gramática neoliberal difundida no senso comum se ancora portanto na equação mercado = sociedade: se o mercado parar, a economia afunda e a sociedade desce ao caos, pois toda riqueza vem do trabalho. Mas não estamos aqui de volta à discussão do trabalho como origem do valor da economia política no século XIX, pois o neoliberalismo financeirizado opera fundamentalmente com valores imateriais e uma segunda economia que parece correr em paralelo à economia “real”. Os Comaroff (2000) acertaram ao comparar a percepção e efeitos desse estado de coisas com o tradicional mundo do “oculto” em África. O caráter mágico, encantado, escatológico do neoliberalismo contemporâneo emana também do mistério das economias ocultas financeirizadas. Ganhar dinheiro rápido e sem trabalhar muito: a proposta de levantar a quarentena imediatamente sem ter o trabalho de montar uma intervenção planejada e de longo prazo[11] de fato lembra os get-rich-quick schemes do neoliberalismo (Comaroff e Comaroff, 2000). Acredita-se não nos procedimentos, no planejamento embasado no trabalho lento porém resiliente dos peritos, no sacrifício árduo porém necessário para que um dia voltemos todos em segurança à normalidade. A referência da verdade passa a ser uma aposta, um risco: na palavra do líder, naquilo que se “vê nas ruas” (o que geralmente significa vídeos supostamente caseiros circulados no WhatsApp), nas curas milagrosas, nas narrativas ocultas que permeiam os mistérios da origem e difusão do “vírus chinês”.



Previsivelmente, a constelação neoliberal culmina numa visão da quarentena enquanto um problema de liberdade individual, de coerção sobre a liberdade de ir e vir dos sujeitos. Vídeos de insurgentes desafiando a polícia para continuarem nas ruas tornam-se profecias auto-cumpridas da ditadura dos inimigos políticos, ou apenas reatualizam o Estado que historicamente sempre existiu mais para reprimir do que para cuidar. O significante vazio do inimigo, tão central aos populismos digitais contemporâneos, retorna com roupagens renovadas (ou nem tanto): a imprensa, a China, os traidores, o establishment, a elite hipócrita, o Legislativo e o Judiciário. Para os seguidores mais extremados, a renovação constante da fronteira antagonística permite modular qualquer (contra)argumento, ao separar os inimigos daqueles que têm o direito à liberdade, à vida, à democracia – os verdadeiros patriotas, alicerçados na fonte última da soberania: o “povo” e as Forças Armadas.



Mas mesmo para a população em geral, a sustentação de um estado de indefinição e ambiguidade (por que não mostrar o resultado do exame? por que não se comprometer com um plano claro para gerenciar a crise?) permite manobras retóricas e invertidas infinitas, assim como a transferência preemptiva da responsabilidade para outros, reais ou imaginários. Todos são responsáveis pelo caos e pelas mortes que possivelmente virão – todos, menos o líder. O discurso do presidente sobre a pandemia, que parece confuso para quem opera na gramática do sistema de peritos, provavelmente faz sentido para as epistemologias populares que vicejam na era da desinformação. Afinal, ele foi eleito como um “igual”, como um opositor do establishment; desse ponto de vista, não há contradição entre o candidato e o governante.


Esse tipo de populismo, onde a lógica recursiva das mídias sociais faz com que seguidores e líder se confundam cada vez mais, não é contraditório com o neoliberalismo contemporâneo; pelo contrário, é hoje a sua principal modulação (Brown, 2019). Como argumentei em outra ocasião (Cesarino, 2019), o slogan “liberal na economia, conservador nos costumes” é enganador: o neoliberalismo se tornou parte constitutiva da gramática identitária (neo)conservadora, e o (neo)conservadorismo autoritário e punitivista, parte da gramática econômica neoliberal. Nos termos de Nancy Fraser (2006), trata-se de uma constelação propriamente bivalente, em que a gramática (identitária) do reconhecimento e a gramática (econômica) da redistribuição andam juntas e se co-produzem de modo cada vez mais íntimo.


Pra onde vamos?


Tendo a concordar com diagnósticos de que a atual pandemia seria mais um sinal de uma transição histórica profunda que apenas começa a se insinuar[12]. Porém, a essa altura é mais difícil antecipar os resultados dessa transição do que apontar alguns de seus “sintomas mórbidos” – para usar a expressão clássica de Antonio Gramsci re-popularizada com a ascensão recente dos populismos de extrema direita pelo mundo. As principais tensões dialéticas hoje parecem se dar menos entre classes ou grupos políticos preexistentes do que transversalmente, entre o que Gabriel Tarde (1991) diferenciou enquanto multidão e público, ou o que Chantal Mouffe (2015) definiu como os dois pólos contraditórios das democracias modernas: o da soberania popular, vontade da maioria e política de massas; e o dos direitos individuais, contrapesos institucionais e esfera pública liberal.


Mais que qualquer outro evento recente, a atual crise põe a nu a encruzilhada que o neoliberalismo contemporâneo nos coloca: somos, afinal, uma sociedade, ou uma multidão cada vez mais dividida entre linhas antagônicas que separam aqueles de quem devemos cuidar (amigos) daqueles contra quem devemos lutar e competir (inimigos)? O neoliberalismo digitalizado está se mostrando uma força anti-moderna, ao sacramentar o fim do sistema de peritos e da sociedade (Brown, 2019) tal qual os conhecíamos? O campo progressista deve pensar em alternativas ao neoliberalismo, ou em neoliberalismos alternativos às suas modulações punitivistas, necropolíticas, anti-democráticas, anti-ciência, mas que não simplesmente repliquem o neoliberalismo progressista (Fraser, 2006) dos anos 2000? Pode ser que, mais que outros países, o Brasil de Bolsonaro, que concentra em si todo o espectro sinistro do neoliberalismo contemporâneo descrito acima, seja um dos cenários onde se desenrolarão de modo dramático alguns dos sintomas mórbidos da atual encruzilhada histórica.


Referências citadas:


Brown, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática no Ocidente. Politeia, 2019.

Bruno, Fernanda e Paulo Vaz. Agentes.com: cognição, delegação, distribuição. Contracampo 7, 2002.

Cesarino, Letícia. Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal. Revista de Antropologia 62(3): 530-557, 2019.

Cesarino, Letícia. What the Brazilian 2018 elections tell us about post-truth in the neoliberal-digital era. Cultural Anthropology – Hot Spots. 22 de janeiro de 2020.

Cesarino, Letícia. Pós-verdade: uma explicação cibernética. Ilha – Revista de Antropologia, no prelo a.

Cesarino, Letícia. How social media affords populist politics: remarks on liminality based on the Brazilian case. Trabalhos em Linguística Aplicada, no prelo b.

Chun, Wendy. Updating to remain the same: habitual new media. Cambridge, MA: MIT Press, 2016.

Comaroff, Jean e John Comaroff. Criminal obsessions, after Foucault: postcoloniality, policing, and the metaphysics of disorder. Critical Inquiry 30(4): 800-824, 2004.

Cooper, Melinda. Family values: between neoliberalism and the new social conservantism. Cambridge, MA: MIT Press, 2017.

Danowski, Débora e Eduardo Viveiros de Castro. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins Florianópolis, Desterro: Cultura e Barbárie e Instituto Socioambiental, 2014.

Davies, Will. Nervous states: how feeling took over the world. Nova Iorque: Vintage, 2018.

Fraser, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. Cadernos de Campo 15(14-15): 231-239, 2006.

Foucault, Michel. Naissance de la biopolitique: cours au Collège de France, 1978–9. Paris: Editions Gallimard, 2004.

Harvey, David. O neoliberalismo: história e implicações. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 2005.

Holston, James. Cidadania insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras,2013.

HoSang, Daniel e Joseph Lowndes. Producers, parasites, patriots: race and the new right-wing politics of precarity. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2019.

Klein, Naomi. A doutrina do choque: a ascensão do capitalismo do desastre. Nova Fronteira, 2008.

Kuhn, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.

Latour, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de janeiro: Editora 34, 1994.

Latour, Bruno. Face à Gaïa. Huit conférences sur le nouveau régime climatique. Paris: Éditions La Découverte, 2015.

Latour, Bruno e Steve Woolgar. Vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1997.

Marres, Nootje. Why we can’t have our facts back. Engaging Science, Technology and Society 4: 423-443, 2018.

Mbembe, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios 32: 123-151, 2016.

Mirowski, Philip e Dieter Plehwe (eds.). The road from Mont Pèlerin. The making of the Neoliberal Thought Collective. Harvard: Harvard University Press, 2011.

Mirowski, Philip. Hell is truth seen too late. Boundary 2 46(1): 1-53, 2019.

Mouffe, Chantal. Sobre o político. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

Slobodian, Quinn. Globalists: the end of Empire and the birth of neoliberalism. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2018.

Tarde, Gabriel. A opinião e a multidão. Lisboa: Publicações Europa América, 1991.

Tsing, Anna. Friction: an ethnography of global connection. Princeton University Press, 2005.

Wacquant, Loic. Punishing the poor: the neoliberal government of social insecurity. Durham: Duke University Press, 2009.


Notas:

[1] “There really is such a thing as society”, em vídeo postado no Twitter em 29 de março de 2020. [2] https://geict.wordpress.com/2020/04/08/covid-19-e-as-imunidades/ [3] https://soundcloud.com/poltheoryother/81-covid-19-neoliberalisms-grave-digger-w-paul-mason [4] http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/597314-zizek-sobre-o-coronavirus-um-golpe-letal-no-capitalismo-para-reinventar-a-sociedade https://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2020/04/caderno-101-negri.pdf [5] https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2020/04/04/retomada-da-economia-sera-por-reformas-e-reducao-de-encargos-trabalhistas-diz-guedes.htm [6] Referência a postagem de março de 2012 da hoje deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (cuja conta foi desativada após a exposição deste e outros tweets antigos). [7] https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2020/03/renda-basica-antes-folclorica-vira-medida-essencial-para-enfrentar-crise-do-coronavirus.shtml [8] https://youtu.be/4FOOe0tSNrM [9] http://www.anpocs.com/index.php/ciencias-sociais/destaques/2334-boletim-n-21-a-cidadania-vertical-no-brasil-o-caso-do-coronavirus. [10] https://twitter.com/nadanovonofront/status/1251155199785177088 [11] https://twitter.com/madeleinelacsko/status/1249670700891361286. [12] https://vianadiego.wordpress.com/2020/04/07/ai-esta-o-seculo-que-previmos/

4,528 visualizações

© 2023 por Design para Vida.

Criado orgulhosamente com Wix.com

CONTRA A PORTARIA 34 E AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO DE BOLSAS DA CAPES